Valkyria Chronicles 4 – A arte da guerra

Por

07 de nov de 2018 ás 11h00

nota

9

/ 10

A série Valkyria Chronicles é ambientada durante uma re-imaginação de baixa fantasia da Segunda Guerra Mundial, aqui chamada Segunda Guerra Europan. A topografia do continente europeu é apenas marginalmente diferente da nossa Europa, e o papel do regime nazista é interpretado aqui por uma entidade conhecida como O Império, empenhada em conquistar seus países vizinhos a fim de garantir o que resta de uma fonte de energia destruidora. conhecido como ragnite.

Em 2008, o primeiro jogo da série lançado no PlayStation 3 foi aclamado pela crítica e garantiu fãs graças ao combate envolvente e a um elenco de personagens simpáticos – pessoas comuns forçadas a levantar armas para defender o seu país de uma invasão.

Já se passaram dez anos desde o Valkyria Chronicles original, e após a sequência imediata mudar para PSP, e o terceiro jogo nunca chegar a ser lançado fora do Japão, os fãs têm clamado por uma entrada em console no Ocidente. Após o desastroso Valkyria Revolution do ano passado, o futuro da série pareceu um pouco sombrio, mas Valkyria Chronicles 4 não é apenas um retorno bem-sucedido à forma original do game, é o melhor jogo da série até hoje e um dos melhores RPGs disponíveis até o momento.

Se você já jogou Valkyria Chronicles Remastered – e se não o fez, deveria – então este jogo lhe parecerá familiar. A campanha é apresentada a você na forma de um livro sobre a história da Europa, e cada evento do livro – seja uma batalha, uma história importante, ou apenas uma brincadeira despreocupada entre camaradas – ganha vida em aquarelas vibrantes. É o tipo de estilo de arte atemporal que envelhece graciosamente, ao contrário de tentativas de foto-realismo que parecem datadas em alguns poucos anos. Você progride no jogo através das páginas do livro, assistindo as cenas da história – as quais existem em abundância – e participando das inúmeras batalhas.

A questline principal mostra que você assume o papel de Claude Wallace, o comandante do Esquadrão E do Exército da Federação, em um enredo que corre em paralelo aos eventos do lançamento original. Claude e seu esquadrão estão em uma missão perigosa no coração do Império para tentar acabar com a guerra, dentro da Capital inimiga, e sua jornada será acompanhada do começo ao fim. Valkyria Chronicles 4 faz um trabalho maravilhoso de equilibrar as realidades da guerra com seus elementos mais fantásticos, e nunca se desvia demais em nenhuma direção.

Os rapazes bonitos e as meninas com voz de hélio do seu esquadrão podem inicialmente parecer pouco mais do que estereótipos de anime, mas a maioria dos personagens tem camadas de suas personalidades que são exploradas com o passar do tempo. Da mesma forma, enquanto a história entra em algum território surpreendentemente escuro em dadas ocasiões, você provavelmente não deveria entrar no clima contundente sobre os horrores da guerra – cada tragédia é compensada por uma história divertida e vice-versa.

O combate em Valkyria Chronicles 4 é uma versão refinada e atualizada do sistema visto no jogo original de PS3. É baseado em turnos, e em cada turno você recebe um número definido de Pontos de Comando que permitem que você emita ordens para suas tropas. Selecionar uma unidade usa um ponto de comando e uma vez selecionada, há as transições de visão para a de um jogo de tiro em terceira pessoa, permitindo que você mova seu soldado ou veículo para uma distância definida, limitada aos Pontos de Ação que cada um possui.

Tocar o botão de ombro direito a qualquer momento abre uma retícula com o objetivo, e a partir daí você pode tentar matar um inimigo – tiros na cabeça causam mais dano, mas são mais difíceis de acertar, particularmente em longas distâncias, enquanto o corpo é mais seguro e mais fácil de atingir, mas pode deixá-lo mais propenso a um contra-ataque se você não terminar o trabalho em um golpe. Uma vez que você está sem Command Points, o inimigo tem a sua vez, por isso é melhor certificar-se de que suas tropas estão em fortes posições defensivas antes da transição. Se algum de seus soldados ficar sem saúde, eles ficarão feridos no campo de batalha por alguns turnos até que você possa contratar um médico para eles – não o fizer e eles perecerem, eles não voltarão.

Existem inúmeras classes diferentes no jogo para apimentar as batalhas, cada uma oferecendo diferentes capacidades ofensivas e defensivas. Você não pode confiar em nenhuma classe para vencer batalhas por você, e escolher a combinação certa faz parte da estratégia.

Alguns não podem percorrer longas distâncias, mas podem destruir tropas com suas metralhadoras. Já outros, como os engenheiros são uma unidade de apoio que pode consertar tanques ou difundir minas terrestres, e os franco-atiradores podem atirar nos inimigos de longe, tirando eles de combate. Granadeiros são uma nova classe para a série que, embora fraca em combates próximos, pode bombardear soldados inimigos com explosivos em curvas ofensivas ou defensivas, conforme sua estratégia de batalha. A maioria dos mapas – particularmente em missões posteriores – apresenta granadeiros inimigos posicionados estrategicamente para causar problemas, e, assim, mandar sua tropa a marchar sem o devido cuidado provavelmente o encaminhará para uma derrota rapidamente.

Missões e mapas são variados, e muitos são muito maiores do que os dos jogos anteriores. Alguns farão você dominar uma base inimiga ou acabar com um batalhão inteiro, mas também há aqueles que exigem que você sobreviva a um número determinado de turnos contra adversidades esmagadoras, ou que escape de inimigos que caçam você. Durante as missões de inverno haverá tempestades de neve ocasionais que dificultam o movimento e a visibilidade, e o frio mortal significa que os aliados que caíram em batalha sucumbirão mais rapidamente a seus ferimentos.

A campanha está repleta de batalhas tensas e bem estruturadas que o manterão alerta, e os objetivos variáveis ​​e as condições de combate significam que as missões não se tornam obsoletas ou rotineiras, mesmo no final da história de mais de 40 horas. Há também inúmeras histórias secundárias opcionais para muitos dos personagens de apoio que oferecem mais informações sobre suas histórias e background, bem como a oportunidade de participar de algumas batalhas únicas.

Conclusão

Valkyria Chronicles 4 tem a tarefa invejável de revigorar uma série que não teve uma entrada boa em consoles domésticos em mais de uma década, bem como a de lavar o gosto ruim deixado nas bocas dos jogadores após o terrível Valkyria Revolution. O fato de ter êxito tão confortavelmente em ambas as frentes é ao mesmo tempo uma surpresa e uma delícia. O enredo é curioso e cativante, o elenco é variado e agradável, e o combate é desafiador e gratificante. Este é o jogo que os fãs de Valkyria Chronicles estavam esperando, e que os novatos na série deveriam, definitivamente, experimentar.

RPG, SEGA, Valkyria Chronicles 4,